Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
26/02/13 às 18h10 - Atualizado em 13/11/18 às 14h38

SeCult-DF realiza I Fórum de Restauradores do DF

COMPARTILHAR

 

Regularização da profissão, participação no FAC-DF e criação de uma Associação e de um curso técnico são os grandes desafios dos Restauradores

Cerca de 80 pessoas, reuniram-se nesta manhã (28/02), na Câmara dos Deputados, para discutir sobre a regularização da profissão, a criação de uma associação e de um curso técnico em restauro, além de tirar dúvidas da participação da categoria no Fundo de Apoio à Cultura (FAC-DF).

O primeiro debate do Fórum foi sobre o Projeto de Lei nº 4042/2008 (regulamenta a profissão de restaurador) que se encontra em tramitação no Congresso Nacional. O palestrante Miguel Gerônimo da Nóbrega Neto defendeu uma maior participação dos profissionais para se conseguir a aprovação da matéria. “A restauração é muito importante para todos, mas o ato de restauro é muito distante da sociedade. Esse distanciamento faz com que não tenhamos o apoio necessário para a regularização da profissão”, explicou Miguel.

Restaurador há 30 anos, José Roberto Furquim explanou sobre a necessidade e as dificuldades para criação de uma Associação. “A criação de uma Associação de Restauradores é um instrumento importante no processo de evolução no trabalho do restaurador e na regularização da profissão”, elucidou Furquim que lembrou, ainda, que em todo o Distrito Federal, só existe, aproximadamente, 50 restauradores profissionais de formação.

Em sua participação no evento, o Subsecretário de Fomento da Secult-DF, Leonardo Hernandes, falou sobre os recursos do FAC disponíveis para a área de restauro. “Este ano, serão disponibilizados dois milhões e quinhentos mil para o edital “Registro e Memória” e um milhão e cem mil para o edital “Patrimônio histórico, material e imaterial”. Além desses, há o edital comemorativo “FAC UnB 50 anos” que disponibilizará cem mil reais para digitalização e/ou tratamento de acervos bibliográficos e gráficos, e exposição de acervo e artes visuais da Universidade de Brasília”, disse Leonardo. O Subsecretário citou, ainda, que um dos objetivos do FAC é proteger o patrimônio, artístico, cultural e histórico do DF.

Criação do Curso técnico de Conservação e Restauro em Brasília foi o último ponto debatido no Fórum. O Superintendente do Arquivo Público do DF, Gustavo Chauvet, lembrou que para atender a conservação da memória de Brasília e do grande volume de produção em vários suportes são necessários profissionais qualificados no mercado. “Precisamos criar um curso técnico teórico e prático onde os alunos possam estagiar nos próprios órgãos públicos. Brasília passa a ser um polo de restauro que não dependerá mais dos polos culturais do Rio de Janeiro e São Paulo”, defendeu Gustavo.

Ao final do encontro, os participantes reuniram-se para criação de um Grupo de Trabalho que estudará e acompanhará as discussões do Fórum.