Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
5/12/13 às 18h18 - Atualizado em 13/11/18 às 14h39

GDF contrata contadores de história para se apresentarem em escolas e parques

COMPARTILHAR


Parceria entre secretarias de Cultura e Educação oferecerá 250 apresentações até domingo (8)

Os estudantes da rede pública de ensino do DF recebem, pela primeira vez, contadores de histórias contratados pelo Governo do Distrito Federal. Os profissionais da arte de ler e encantar fazem apresentações com temáticas infantis até o próximo domingo (8) nas escolas e também em parques e no Zoológico.

A ideia do projeto “Cantar e Contar Histórias” é democratizar o acesso às novas formas de aprendizado e cultura em regiões distantes do Plano Piloto. Esta foi a primeira vez que a Secretaria de Cultura contratou profissionais dessa área, já pelas novas regras de contratação artística, com valores pré-fixados em edital e rodízio para apresentações.

Nesta fase, os contadores de história se apresentarão em oito escolas de Planaltina, 56 de Ceilândia, 16 do Guará, 12 de Brazlândia e seis de Taguatinga.

O projeto oferece 250 apresentações e é uma parceria das secretarias de Cultura e Educação. A Escola Classe Mestre Darmas de Planaltina foi uma das contempladas com a iniciativa pioneira do GDF.

“É a primeira vez que a escola recebe esse incentivo inovador. O ato de contar histórias é uma maneira lúdica de ensinar. Essa forma de aprendizado é grandiosa e enriquecedora para os nossos alunos em formação – 5 aos 14 anos”, ressaltou a pedagoga Angelita Braga.

A estudante do 4º ano, Emilly Eduarda Galvão, de 9 anos, elogiou o projeto. “Achei muito legal. As histórias são contadas de forma animada. Os contadores são show”.

Ao todo, 15 contadores de história se apresentam nas escolas do DF, do ensino básico ao médio. As apresentações duram uma hora, em média. Os temas abordados são clássicos infantis e atuais.

“O nosso maior objetivo é incentivar o livro e a leitura. Só assim para promover a interação dos pais em compartilhar o interesse em ler”, afirma a contadora de história Maristela Papa.

A professora do 2º ano, Gilcileia Maria da Silva, considerou a abordagem dos contadores de história impecável. “Eles impressionaram todos os alunos e corpo docente ao saberem de cor os textos. É maravilhoso o projeto para as crianças”.

Recurso

Cada contador recebe, por apresentação, entre R$ 500 e R$ 750, dependendo do tempo de experiência. O recurso para as contratações, R$ 150 mil, é proveniente de emenda parlamentar e de uma contrapartida da Secretaria de Cultura.

“O direito à cultura e o acesso à cultura precisa ser um direito fundamental. Os contadores têm o poder de entrar em qualquer lugar, do mais simples ao mais sofisticado e levar cultura, é importante incentivar uma atividade como esta”, argumentou o deputado distrital Claudio Abrantes, autor da emenda que destinou R$ 100 mil para as contratações.

O secretário de Cultura, Hamilton Pereira, recebeu o deputado e o presidente da Associação Amigos das Histórias, William Reis, no seu gabinete para assinar um ato que celebra as contratações. Durante o encontro, duas contadoras se apresentaram e o secretário retribuiu com uma história.

“As palavras são muito importantes e é muito significativo, para nós, levar essas histórias para as crianças do DF”, ressaltou Pereira.

O presidente da associação agradeceu a oportunidade e disse que atividades como esta aumentam o reconhecimento pelo trabalho dos contadores. “A secretaria acolheu os contadores e começamos a ter outro valor em Brasília. Não temos dificuldade de entrar na casa das pessoas, nas escolas, nas praças, e tudo isso é fruto do reconhecimento do nosso trabalho”.

Os contadores também se apresentarão para o público dos parques da Cidade Dona Sarah Kubitscheck, Águas Claras e Taguá Parque, além do Zoológico e da Torre de TV. No próximo domingo, em comemoração ao aniversário do Zoo, todos os contadores participarão da festa e se apresentarão durante o dia.