Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
1/07/14 às 1h15 - Atualizado em 13/11/18 às 14h49

Franceses vibram com a vitória no Estádio Mané Garrincha

COMPARTILHAR


Torre de TV reuniu torcedores em festa após partida entre França e Nigéria


Os brasileiros apoiaram a Nigéria, mas os franceses venceram e estão classificados para as quartas de final. O placar de 2 a 0 fez a equipe europeia cantar ainda mais forte o grito de guerra tão conhecido: Allez les Bleus no Estádio Mané Garrincha, que reuniu 67.882 pessoas nesta segunda-feira (30).

Outras trilhas sonoras davam o clima de comemoração como Qui ne saute pas n'est pas français. Cantando entre a torcida estava o administrador de empresas Cèdrik Amato, 42, que mora em Lyon. Ele conta que foi uma surpresa ver os brasileiros vibrando pelo time concorrente. “Os franceses gostam muito dos brasileiros e vice-versa. Se dão bem fora do campo, mas, dentro, parece que os brasileiros não querem enfrentar a França”, conta sorrindo.

Cèdrik veio à capital federal duas vezes, uma delas na partida de Portugal e Gana, mas passou também pelo Rio de Janeiro e Fortaleza. Ele explica que conhece vários lugares da América do Sul, mas que o Brasil vai ficar na memória. “Já estou há 10 dias no país e está sendo espetacular”.

Na saída da arquibancada inferior, Gary Chollet, 20, e Theodore Brassalet, 20, pulavam de alegria com mais dois amigos. Eles comemoravam o resultado do jogo. Sobre a partida, o grupo elogiou a atuação do meio-campista Yohan Cabaye. “Ele é o melhor jogador porque tem uma defesa muito boa, carrega o time e está com a bola sempre”, destaca o estudante Gary. Os parisienses vieram à capital rapidamente e estão com passagens compradas para conhecer o Rio de Janeiro, Salvador, Porto Seguro e Recife em um período de 30 dias.

Lethuillier Sebastien, 30, veio com os pais de Le Havre, que fica a 200 km de Paris. Ele conta que também foi à Copa na África e que o time está bem diferente do que viu lá em 2010. “Estou orgulhoso, pois os jogares estão jogando muito bem. Mesmo sem o Franck Ribéry, a seleção francesa está jogando como um time de verdade”.

Há 4 semanas no Brasil, Lethuillier Sebastien conta que foi à Chapada Diamantina e à Foz do Iguaçu, pois adora a natureza. O engenheiro de computação diz que gosta de comemorar, mas como o tempo está curto, ele prefere ir com a família conhecer os pontos turísticos, pois chegou ontem (29) e já vai embora amanhã.

A festa também era brasileira

Próximo à parte externa do estádio, os torcedores que seguiam a pé para o estádio improvisaram uma batucada usando as cestas de lixo do local como instrumentos musicais. Eles cantavam: Olê, Olá, Neymar. Um grupo de jovens resolveu jogar futebol em um campinho improvisado. Brasileiros e franceses se divertiam disputando a bola. “O brasileiro tem um jeito ímpar e onde quer que vá, é reconhecido pela alegria e animação”, diz Vanessa Camargo, 29, que mora em Goiânia.

Como nos outros jogos, a Torre de TV reuniu muita gente para se confraternizar. Além de brasileiros e franceses, argentinos, equatorianos, chilenos e suecos participavam da festa. O nigeriano Paul Chukuwdi, 29, também marcava presença no local mesmo com a derrota do time. “Vou ficar aqui e me divertir. Foi só um jogo. No futebol se ganha e se perde. Faz parte”, explica.

Próximas partidas

Agora os franceses encaram a Alemanha na próxima sexta-feira (4), às 13h, no Maracanã, Rio de Janeiro. Se os Bleus chegarem até a semifinal, podem encontrar o Brasil, que joga com a Colômbia no mesmo dia, às 17h, no Castelão, em Fortaleza.

Fotos: Will Shutter e Relia Maria