Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
24/07/13 às 13h15 - Atualizado em 13/11/18 às 14h38

Ex-presidente Lula defende políticas públicas para mulheres e negros no Festival Latinidades

COMPARTILHAR

O ex-presidente Lula participou nessa terça-feira (23/07), no Museu da República, em Brasília, do Festival Latinidades, onde discursou para um auditório lotado de representantes de movimentos negros, com destaque para as mulheres.

A criação da Secretaria da Promoção da Igualdade Racial, do Estatuto da Igualdade Racial, a inclusão do ensino da história africana nas escolas, o aumento do número de negros nas universidades e a diminuição da desigualdade social entre brancos e negros foram lembrados pelo ex-presidente como avanços no reconhecimento dos negros e de sua história.

Mestre de cerimônia, o rapper Gog abriu o evento destacando as conquistas e lutas dos negros. “Tem gente que reclama dos aeroportos lotados, a gente reclama da violência contra os negros da periferia”.

Lula foi chamado ao palco ao som de um canto a Xangô, na voz da Yalorixá Railda, que conduziu o cortejo do Ilê Axé Oya Bagan.
A fala de Lula teve como tema “Desigualdades raciais e políticas públicas no seu governo e na sua atuação pós-governo”. Ele ressaltou o preconceito que enfrentou no governo por ter proximidade com mães-de-santo e terreiros e ressaltou que fazia questão de dizer a todos: “A liberdade só é válida para você se aceitar a liberdade dos outros. Não existe liberdade pela metade”.

O ex-presidente falou da invisibilidade dos problemas que a população negra vive e das ações que foram feitas na última década para enfrentar isso. “Quantas jornalistas negras estão cobrindo este evento?”, questionou. “Com o Prouni e o Reuni, isso logo vai mudar”, completou.

Convidado do evento, o secretário de cultura do DF, Hamilton Pereira, destacou a importância da participação de Lula no Festival Latinidades.

“Poucas pessoas têm mais a dizer para este público, para um festival como este, do que o homem que abriu para as populações negras do Brasil uma possibilidade que nenhum outro presidente da República realizou. E hoje, quando ele vem, como cidadão, participar de um festival como este, ele traz consigo a possibilidade de ampliar as vozes negras que aqui se ouviram. Ou seja, mais uma vez ele cumpre papel de potencializar a voz dos oprimidos e das oprimidas neste momento que é de afirmação da sua identidade cultural diante de um país que aos poucos vai absorvendo aquilo que são as políticas de igualdade que ele implementou”, disse Hamilton Pereira.

O festival Latinidades está na sua 6ª edição e acontece em homenagem ao Dia da Mulher Afro-latina-americana e caribenha, comemorado no dia 25 de julho.

O encontro, que começou no dia 19 e vai até o próximo domingo, 28, contou com palestras, apresentações artísticas, oficinas e debates. O tema de 2013 é “A arte e a cultura africana”.