Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
4/03/20 às 17h01 - Atualizado em 4/03/20 às 17h03

Equipe de conservação e restauro da Secec supervisiona trabalhos em painel de Athos Bulcão

COMPARTILHAR

Obra fica na lateral sul do prédio do Tribunal Regional do Trabalho na Asa Norte

 

Preparativos para a comemoração dos 60 anos de Brasília em abril ganharam mais um retoque com a entrega na segunda-feira (2) do painel do artista Athos Bulcão que fica na lateral sul do prédio do Tribunal Regional do Trabalho da 10ª Região no Setor de Edifícios Públicos Norte (SEPN) 513.

 

O trabalho contratado pelo TRT a partir de projeto de mapeamento de danos da obra de 4,50 metros de altura e 22,38 metros de largura, feito pela Fundação Athos Bulcão, foi acompanhado pela Gerência de Conservação e Restauro da Subsecretaria do Patrimônio Cultural da Secretaria de Cultura e Economia Criativa (Secec) do DF.

 

A restauração começou em novembro do ano passado, depois de ida ao local da equipe de especialistas da Secec. “O painel já havia sido visitado por nós em 2018 como parte do trabalho de monitoramento de 195 obras de Athos Bulcão vinculadas ao patrimônio tombado no DF”, revela a analista de atividades culturais na especialidade de artes visuais Maria de Fátima Medeiros Souza.

 

Ela explica que cabe à gerência (Gecor) monitorar, orientar e acompanhar intervenções dessa natureza no patrimônio tombado. “Somos poucas servidoras, mas nos organizamos para cuidar dessas obras de arte, patrimônio da capital federal”, ressalta.

 

O projeto submetido pela Fundação Athos Bulcão previa várias etapas, a partir da limpeza química das placas geométricas que formam o desenho em relevo e baixo relevo do painel, a obturação de lacunas, tapar (colmatação) fendas e brechas na estrutura, nivelar áreas de perda de material e reintegração cromática da obra com a colocação de camada impermeável protetora.

 

A equipe da Gecor fez duas visitas ao local e aprovou o trabalho de restauração, que incorporou modificações sugeridas em relação ao detalhamento dos procedimentos. “O detalhamento é essencial para nossa análise. Por exemplo, solicitamos que fossem feitos testes químicos para subsidiar a escolha de substâncias de modo a garantir que o resultado final fosse tão próximo quanto possível da obra original”, explica Maria de Fátima, referindo-se a uma das recomendações de nota técnica que pauta esses procedimentos.

 

“Acho importante ressaltar a parceria entre a Secretaria e os proprietários dos bens tombados, pois isso permite que essas obras de arte sejam preservadas para o público”, frisa a gerente de Conservação e Restauro da Supac, Mariah Boelsums. Também faz parte da equipe a técnica em Conservação e Restauro Laura Teixeira de Oliveira, que acompanhou o trabalho de campo.