Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
16/01/18 às 15h39 - Atualizado em 13/11/18 às 15h08

Empresas criativas fomentam mercado nas RAs

COMPARTILHAR

Águas Claras, Taguatinga e Ceilândia são as três regiões administrativas com a maior concentração de microempreendedores individuais (MEI) associados com cultura do Distrito Federal. A presença desses negócios fomenta o mercado de trabalho nas regiões e mostra o grande impacto da economia criativa no desenvolvimento do Distrito Federal.

 

Levantamento divulgado pela Companhia de Planejamento do DF (Codeplan) na tarde desta terça-feira (16) indica que empresas criativas fomentam mercado e aumentam a qualidade de vida em regiões administrativas, com destaque para Águas Claras, Taguatinga e Ceilândia. Esse aglomerado de empresários da área nas regiões forma o que o documento estabelece como clusters — redes de produção cultural e criativa com organização não vertical.

 

Baixe o estudo aqui

 

Como os MEIs são trabalhadores individuais, eles fazem e demandam serviços uns dos outros. Entre os exemplos fornecidos pela pesquisa estão serviços freelance para empresas maiores e organizações entre os empreendedores para fazer projetos complementares. Além disso, eles prestam serviços para outros agentes econômicos locais, como comércios e escolas. Com isso, fortalecem a economia nas três regiões administrativas.

 

O presidente da Codeplan, Lucio Rennó, defende que a pesquisa é fundamental para compreender uma área de negócios nova em Brasília. “Entender os MEIs como parte dos empreendedores é um passo para a formalização desse segmento.”

 

Também participou da apresentação o subsecretário de Fomento e Incentivo à Cultura da Secretaria de Cultura, Thiago Rocha, que opinou sobre a relação entre os MEIs de cultura e a economia. “Recentemente vemos uma vilanização quando há investimento em cultura, porque dizem que o dinheiro poderia ser gasto com coisas mais úteis. Mas a presença de cultura em qualquer território tem influência positiva”, explicou. Para dar um exemplo, ele citou como as músicas de hip-hop ajudam a tirar crianças da criminalidade.

 

Brasília tem 15% de microempreendedores associados à cultura

 

Com 15% dos MEIs de Brasília associados com cultura, o levantamento determinou os tipos de empreendimento com base em duas metodologias de pesquisa: uma do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e outra da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco).

 

A primeira faz o levantamento com base nas declarações de Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) e de Imposto sobre Serviços de qualquer Natureza (ISS). De acordo com ela, a maioria dos MEIs de cultura em Brasília é voltada para publicidade. O número não pode ser estabelecido porque empresários não fazem declaração de todos os impostos.

 

Alguns pagam os dois, uns apenas o ISS e outros só o ICMS, o que impede a Codeplan de descobrir quais se repetem nos dois tributos. A metodologia da Unesco envolve divisões de negócios predeterminadas. Na separação da organização, os destaques são empresas de esporte e recreação (5.642 no ISS e 4.014 no ICMS) e de design e serviços criativos (4.662 no ISS e 2.708 no ICMS).

 

Uma das responsáveis pelo levantamento, a economista da Codeplan Larissa Nocko disse que o uso de mais de uma metodologia é necessário porque a compreensão de cultura não é clara. “Por exemplo, uma empresa de audiovisual pode ser vista como atividade cultural por uma pessoa ou como atividade industrial por outra.”

 

A pesquisa da Codeplan é a primeira etapa de um mapeamento feito a pedido da Secretaria de Cultura. A intenção é levantar dados sobre consumo, acesso, mão de obra, grupos culturais, localização e evolução temporal da economia criativa do DF.

 

*Com informações da Agência Brasília