Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
22/07/19 às 18h13 - Atualizado em 22/07/19 às 18h13

Empresários visitam Teatro Nacional e sinalizam apoio para restauro do local

COMPARTILHAR

A importância do restauro e da revitalização do patrimônio tombado da capital federal reuniu empresários nesta segunda-feira (22) no Teatro Nacional Cláudio Santoro (TNCS) para discutir soluções para o espaço, fechado desde 2013. Acompanhados pelo secretário de Cultura Adão Cândido e pelo secretário de Governo José Humberto Pires, os representantes do setor produtivo conheceram as instalações do local e as benfeitorias necessárias reabrir o equipamento.

 

A ação foi uma iniciativa do presidente da Fecomércio-DF Francisco Maia, que reconheceu a importância da reabertura do Teatro Nacional, e falou do engajamento do setor para buscar uma forma de ajudar financeiramente no restauro da principal casa de artes da cidade. Segundo ele, a visita é essencial para que os representantes possam avaliar as possibilidades de ajuda ao Governo do Distrito Federal. “Esta é uma obra da cidade, para a cidade e que terá a nossa ajuda. Vamos mobilizar toda a cidade para que isso se realiza”, disse durante o encontro.

 

Já o presidente do Sindiatacadista-DF, Júlio César Itacaramby, falou emocionado sobre as memórias do TNCS, que já recebeu grandes produções nacionais e internacionais, e destacou a necessidade de elaborar de forma organizada um projeto que sensibilize a comunidade para a recuperação do teatro.

 

Enquanto percorriam pelas salas Martins Pena e Villa Lobos, principais palcos do local, o secretário de Cultura e Economia Criativa Adão Cândido explicou que a ideia é revitalizar uma sala de cada vez, começando pela Martins Pena, com capacidade de cerca de 400 lugares, e focado em atender ás questões de segurança e acessibilidade exigidas pelo Corpo de Bombeiros e pelo Ministério Público.

Desta forma, assegurou Cândido, será possível reabrir o Teatro Nacional Cláudio Santoro sem grandes intervenções estruturais, com um custo menor, de cerca de R$ 20 milhões no caso da Martins Pena. “A devolução do Teatro à sociedade é um compromisso que tem um impacto social enorme, uma vez que toda essa área em volta está degradada”, pontuou.

 

Na ocasião, o titular da Secec ressaltou o trabalho da gestão em construir uma política de conservação do patrimônio, destacando a responsabilidade patrimonial do GDF, que gere uma série de monumentos tombados. Ele destacou a retomada das obras do Museu de Arte de Brasília, a revitalização do Catetinho e uma série de ações feitas em parceria com a Unesco para modernização e ressignificação de equipamentos em toda a cidade.

 

Ele agradeceu o apoio da Fecomércio e das demais entidades e destacou que para realizar todas as ações é necessário suporte. “Estamos trabalhando em várias frentes, em um esforço de várias áreas. Nesse sentido, toda ajuda é bem vinda. Precisamos somar forças”, afirmou.

 

Os representantes do setor produtivo asseguraram, ao fim do encontro, que uma proposta de suporte das entidades será apresentada ao Governo do Distrito Federal nas próximas semanas.