Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
11/12/20 às 11h33 - Atualizado em 11/12/20 às 12h30

Divas do Festival de Brasília: atrizes consagradas lembram de seus Candangos

COMPARTILHAR

Texto: Lúcio Flávio/Edição: Guilherme Lobão (Ascom Secec)

 

11.12.2020

11:33:00

 

Quem viu a cena não esquece. Foi um ato de emoção e comoção em dose acachapante que contagiou toda a sala do Cine Brasília naquela 13ª edição do Festival de Brasília do Cinema Brasileiro (FBCB). O ano era o de 1985 e, de repente, a atriz Marcélia Cartaxo, então com vinte e poucos anos, estava sendo carregada pelo público, de mão em mão, numa intensa e grande corrente de amor, até ao palco. Lá, ao lado da cineasta Suzana Amaral, era coberta de flores, abraços e aplausos que duraram infinitos dez minutos.

 

“Foi uma coisa inesquecível”, recorda a atriz, emocionada até hoje com a lembrança. “Foi assim que eu entrei no cinema brasileiro, que a vida me definiu enquanto artista, me dizendo que eu ia seguir essa trajetória e que seria para sempre, porque depois que bebe água artística, nunca mais você consegue sair desse lago”, orgulha-se.

 

Marcélia Cartaxo

Tudo isso aconteceu após a sessão do filme, “A Hora da Estrela”, de Suzana Amaral, um marco do cinema nacional e, até então, um dos poucos trabalhos conduzido por mãos femininas na época. Baseado em obra homônima de Clarice Lispector, o projeto, protagonizado por Marcélia, narra a história de Macabéa, uma mulher nordestina sonhadora que vive as agruras e peripécias do amor e de vida numa cidade grande. O papel, um dos mais marcantes das telonas, consagraria a atriz com o primeiro Candango de Melhor Atriz no Festival de Brasília.

 

“Aquilo realmente me pegou de surpresa, foi um grande acontecimento na minha vida. Nunca tinha vivenciado algo assim, nem no teatro”, avalia a artista. “Foi o meu passaporte para arte. Ali constatou que realmente a minha carreira profissional seria por meio da arte”, diz triunfante, Marcélia, que voltaria a erguer o Candango de Melhor Atriz por sua atuação no longa “Big Jato”, de Cláudio Assis, em 2015.

 

Damas do Candango

 

Fernanda Montenegro em A Falecida

Grandes atrizes nacionais foram premiadas no festival mais importante e antigo do País. Trata-se de uma tradição que empolga o público, convidados e enche de glamour o evento conhecido pelo seu tom político e contestatório. A primeira estrela a receber o prêmio de Melhor Atriz no FBCB foi a grande dama do teatro, Fernanda Montenegro, com o filme, “A Falecida”, do cineasta Leon Hirszman. Baseado em texto de Nelson Rodrigues, o longa, uma pérola do Cinema Novo, foi exibida quando o encontro ainda chamava Semana do Cinema Brasileiro e o prêmio era uma placa e não a estatueta em si, que apareceria mais tarde.

 

“Tenho uma história minha por aí, que é impossível esquecer. É um festival que cuida do cinema brasileiro. Respeita e é resultado da produção em cinema nacional”, comentaria, anos depois, em entrevista ao Correio Braziliense.

 

Joana Fomm, a eterna vilã Perpétua da novela “Tieta” (1989), é outra diva consagrada na telona pelo Candango. Ela é a campeã em participações no Festival de Brasília, no qual concorreu oito vezes ao prêmio de Melhor Atriz, abiscoitando o troféu em 1990, com o drama “Césio 137”, de Roberto Pires.

 

Em 1982, a musa Vera Fischer ganharia na categoria com o polêmico filme “Amor, Estranho Amor”, de Walter Hugo Khouri – aquele em que Xuxa aparece nua, mas a artista, ainda longe de ser a alegria dos baixinhos, deixaria marmanjos a ver navios, ao faltar à edição daquele ano, mesmo após anunciar presença.

 

helena ignez

Na 20ª edição da mostra, em 1987, Louise Cardoso, homenageando Leila Diniz, levaria o prêmio no papel da diva rebelde que, por sua vez, perderia a “placa” de Melhor Atriz, em 1966, para a exuberante Helena Ignez, em “O Padre e a Moça”, de Joaquim Pedro de Andrade. Na época, Leila Diniz, uma sensação no festival e na capital, por onde passava, concorria com “Todas As Mulheres do Mundo”, de Domingos Oliveira, vencedor daquela segunda Semana do Cinema Brasileiro.

 

“Para mim o Festival de Brasília significa muitíssimo”, reconhece Helena Ignez, que voltaria a receber o prêmio de Melhor Atriz, três anos depois, em 1969, com o irreverente, “A Mulher de Todos”, dirigido pelo marido, Rogério Sganzerla. “Foram anos seguidos de premiação, eu ainda muito jovem e isso significou muito pra mim”, diz ela, que na época do segundo prêmio, tinha apenas 27 anos. Helena voltaria a participar do festival nos anos 2000 na condição de produtora e de diretora.

 

Em 1976, Zezé Motta seria outra diva aclamada no palco do Cine Brasília pelo empolgante “Xica da Silva”, de Cacá Diegues. Zezé retornaria ao festival em 2017 compondo o elenco do agraciado filme de horror O Nó do Diabo, dirigido por Ramon Porto Mota, Gabriel Martins, Ian Abé e Jhésus Tribuzi.

 

Dira Paes com o CandangoMusa do cinema contemporâneo brasileiro, a atriz paraense Dira Paes também se tornou uma das mais recorrentes na cerimônia de premiação do Festival de Brasília. Ela conquistou cinco Candangos. Três na categoria Melhor Atriz e dois como Atriz Coadjuvante. O primeiro foi em 1996, no papel feminino de “Corisco & Dadá, filme de Rosemberg Cariry. Sob direção de Cláudio Assis foram dois prêmios conquistados: em 2002, pela personagem Kika, de “Amarelo Manga”, e em 2006, no papel de Bela, em “Baixio das Bestas”.

 

“O Festival de Brasília é um marco na minha carreira. Foi o lugar onde mais tive trocas com os outros profissionais do cinema. Foi o lugar perfeito para entender os debates políticos, a cultura do audiovisual e sobre estilos, devido à grande diversidade que o evento sempre teve”, comenta. Para ela, o Candango trouxe muita alegria, especialmente no seu primeiro ano de participação na mostra competitiva. “Foi um dos momentos mais felizes da minha carreira, era um ano com muitos filmes interessantes, estávamos voltando da retomada do cinema brasileiro e jamais esperei vencer na primeira participação, isso é muito marcante. O Candango realmente me trouxe muitas alegrias”.

 

Assessoria de Comunicação da Secretaria de Cultura e Economia Criativa (Ascom/Secec)

E-mail: comunicacao@cultura.df.gov.br