Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
17/08/17 às 12h19 - Atualizado em 13/11/18 às 15h07

Diretor do MPI, Álvaro Tukano lança livro

COMPARTILHAR

Cerimônia de lançamento contará com projeção de filme indicado ao Oscar

Nesta quinta (17), o diretor do Memorial dos Povos Indígenas (MPI), Álvaro Tukano, lança o livro “O Mundo de Tukano Antes dos Brancos”, às 18h, no próprio museu. Na ocasião, também haverá exibição do filme “O Abraço da Serpente”, de Ciro Guerra, que concorreu ao Oscar de melhor filme em língua estrangeira representando a Colômbia. As duas obras tratam da mitologia e dos rituais tradicionais de povos indígenas, além de refletirem sobre o diálogo entre brancos e povos nativos.

Lançado originalmente na Feira Literária Internacional de Paraty (Flip) deste ano, “O Mundo de Tukano Antes dos Brancos” descreve as bases míticas, históricas e geográficas da população indígena do alto Rio Negro, entre a fronteira do Brasil com a Colômbia. Essa civilização é descrita e interpretada pelo autor, nascido e criado em uma comunidade tradicional do seu clã. A obra traz sua origem, expansão e configuração atual.

Álvaro Tukano tem lutado pela defesa dos territórios, tradições e línguas indígenas, especialmente após presenciar crimes contra comunidades e aldeias. Hoje, ele é um importante pensador e participante ativo da luta indígena pela demarcação de terras e pela não-integração da comunidade indígena na sociedade, enquanto esse processo significar a perda de sua cultura original.

Na mesma linha trabalhada por Tukano, o filme em preto e branco “O Abraço da Serpente”, de Ciro Guerra, acompanha a trajetória de Karamatake, único sobrevivente da sua tribo. Na trama, que acontece em duas épocas com um intervalo de quarenta anos, o indígena passa pela mesma situação de ajudar dois homens brancos que buscam uma planta medicinal muito rara. Em 2016, a obra foi indicada ao Oscar de Melhor Filme Estrangeiro e recebeu o Prêmio Ariel de Melhor Filme Ibero-Americano.

Com apoio da Embaixada da Colômbia e participação de Antônio Bolívar – que fez parte do longa – a exibição do filme acompanhará um debate e, em seguida, será lançado o livro.

Esta ação integra o conjunto de iniciativas da Subsecretaria de Patrimônio Cultural da Secretaria de Cultura para a valorização dos equipamentos culturais no marco dos 30 anos da inscrição de Brasília como Patrimônio Cultural da Humanidade.

Serviço

Memorial dos Povos Indígenas

A partir das 18h

Entrada franca