Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
13/02/18 às 23h31 - Atualizado em 13/11/18 às 15h31

Descentralização caracteriza Carnaval de Brasília 2018

COMPARTILHAR

Com eventos espalhados por 15 regiões administrativas, o Carnaval de Brasília revelou a importância da política pública para apoiar não apenas eventos tradicionais, mas também incentivar e fomentar a produção artística fora do Plano Piloto.

 

Selecionados por meio de edital de chamamento público da Secretaria de Cultura,vários artistas reforçaram a programação dos blocos de rua neste último dia de Carnaval (13/2). A Praça dos Prazeres, por exemplo, recebeu o som versátil do trio instrumental Muntchako.

 

“O Carnaval de Brasilia é muito novo pra mim, que sou paraibano”, disse Macaxeira Acioli, um dos integrantes do grupo. “Este ano foi muito massa e que bom que a Secretaria de Cultura abriu o leque para os vários segmentos musicais, para espalhar diversidade. O brasiliense tem incorporado o carnaval no calendário e saindo de casa fantasiado com energia boa para brincar”.

 

O grupo cultural de performance, dança e música afro Obará fez a festa no desfile do Menino de Ceilândia, um bloco que se orgulha de formar crianças e adolescentes por meio da arte. O passista Vanderson Barros, do Menino de Ceilândia, colhe os resultados positivos do trabalho comunitário do bloco ao longo do ano. “Trabalhamos com os meninos mais novos para fazer crescer essa cultura, esse nome do frevo, no Distirto Federal”, disse.

 

Tauana Barros, professora que puxa o bloco há seis anos, revela que o objetivo do grupo é fazer a alegria da garotada. “A gente se diverte junto com eles, dançando frevo, axé e samba. É um evento multicultural”, destacou.

 

Percussionista e cantora, Nãnan Matos levou seu ritmo para Águas Claras, no bloco Esquenta Mas Não Queima, junto com a banda Batucaxé e ficou surpresa com a reação do público. “Vinha cansada de tantos dias de Carnaval, mas cheguei aqui e a energia veio junto com esse povo todo, disse. Para ela, foi muito importante ter espalhado artistas por várias regiões. ” Foi incrível descentralizar e poder trazer o nosso trabalho para outras pessoas. Eles me deram uma resposta incrível. É importante sair do Plano, e voltar pra lá também, mas precisamos estar em todos os lugares”, definiu.

 

Mais de 155 mil pessoas pularam carnaval nos blocos de rua de Brasília nesta terça-feira (13). O que mais teve foliões, no horário de pico, foi o dos Raparigueiros, com 60 mil. A Baratona veio logo atrás, com 50 mil. Ambos desfilando no Eixo Monumental.

 

O período momesco se encerra sem registo de ocorrências graves, com eficiente trabalho de segurança, organização do trânsito, com os serviços de mobilidade em operação e a presença de todos os serviços públicos essenciais para atender ao cidadão.

 

No entanto, ainda tem mais festa pela frente: a ressaca de Carnaval traz ainda muito bloco e apresentações artísticas para os próximos dias, até 25 de fevereiro.

 

Confira a programação completa no site oficial do Carnaval de Brasilia 2018: www.brasiliatemcarnaval.df.gov.br.