Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
19/12/20 às 13h42 - Atualizado em 19/12/20 às 13h43

“Delfini” lança olhar operário para narrar a construção de Brasília

COMPARTILHAR

Texto: Loane Bernardo/Edição: Guilherme Lobão (Ascom Secec)

 

19/12/2020
13:43:00

 

A história de um homem solitário que se entrega ao amor por Brasília. João Batista Delfini, 98 anos, marceneiro na construção de Brasília, representa a história de vários pioneiros que, assim como ele, permaneceram no Distrito Federal. O documentário “Delfini Brasília, Olhar Operário”, de Maria do Socorro Madeira, que concorre à Mostra Brasília de Curta-metragem da 53ª edição do Festival de Brasília do Cinema Brasileiro, mostra a vida desse senhor extremamente lúcido e independente, um pioneiro apaixonado pela capital.

 

Acesse:

Programação detalhada  

Linha do tempo do FBCB

Últimas Notícias FBCB

Como assistir ao 53º Festival de Brasília do Cinema Brasileiro

Programação paralela

 

O filme acompanha o dia a dia de Delfini, suas tarefas domésticas e suas andanças pelos cenários que o fizeram escolher Brasília como sua morada permanente. Suas prosas com o melhor amigo, Porfírio, sobre os momentos memoráveis de trabalho, orgulho, diversão e tristeza, constroem uma narrativa de fluência, coerência cronológica e humor.

 

Estreante em produção cinematográfica e no festival, Maria do Socorro, conhecida como Maria Bonita do Cerrado, produziu o documentário a partir da sua estima aos povos que vieram para a construção da cidade e por seu amor incondicional por Brasília. “A paixão pelo audiovisual deu-me a ousadia de intitular-me cineasta da vida. Escrevo histórias, viajo em sonhos reais filmando nosso quadrado porque acredito que pingo d’água é oceano. Um pingo pode inundar, basta ter ousadia e determinação”, ensina.

 

Sobre Delfini, Maria destaca a necessidade de preservar a lembrança de trabalhadores na época da construção de Brasília, e o personagem do documentário, segundo a diretora, possui memória vida de sua trajetória como pioneiro. “Esta obra representa a diáspora de homens e mulheres de todas as regiões do Brasil, que se constituíram como o povo pioneiro, originários que, em árduas labutas, transformaram concreto em monumentos”, completou.

 

Assessoria de Comunicação da Secretaria de Cultura e Economia Criativa (Ascom/Secec)
E-mail: comunicacao@cultura.df.gov.br