Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
23/04/13 às 18h27 - Atualizado em 13/11/18 às 14h38

Curso de Cerâmica no MVMC

COMPARTILHAR

Mais tradicional oficina do barro de Brasília funciona no Museu Vivo da Memória Candanga

Inscrições abertas em duas opções para iniciantes

Em funcionamento desde 1988, o curso de cerâmica do MVMC já formou duas gerações. As classes comandadas pelo professor e ceramista José Nicodemos destacam-se por reafirmar uma das vocações do Museu Vivo de preservar as mais tradicionais técnicas de feitura de peças utilitárias, decorativas ou artísticas.

Integrante da grade das Oficinas do Saber Fazer, a oficina do barro trabalha os modos de confecção de peças em consonância com métodos utilizados pelos candangos que aqui chegaram para a construção da capital e que, perdurando até hoje, resultam na cultura originalmente brasiliense, uma vez que novas técnicas e tecnologias são incorporadas ao trabalho. Entre elas, as experiências de queima em fornos elétricos, a gás, a lenha e a utilização de torno.

Cearense de Cascavel que veio pro DF “pra passar uma chuva” e nunca mais voltou, Nicodemos é autodidata. Encantou-se pela cerâmica depois de conhecer o trabalho da artesã Maria do Barro, nos idos dos anos 1980. Depois disso, montou ateliê e passou a produzir peças artísticas e a participar de exposições. Com o tempo descobriu que gostava mesmo era de dar aulas. Em 1988 inaugurou a oficina de Cerâmica do Museu Vivo, por onde estima já terem passado mais de três mil alunos, nas cerca de duzentas turmas que coordenou.

Pelas classes do professor Nicodemos já passaram: médicos, dentistas, artistas, empregadas domésticas, servidores públicos, profissionais liberais. Gente jovem, adulta e idosa que procura na atividade com a argila forma de se expressar criativamente ou mesmo, no caso dos artistas, que vem semanalmente ao Museu aprimorar o oficio, aperfeiçoar conhecimento ou resolver questões relativas à técnica de queima, modelagem e uso de esmaltes.

É o caso do multiartista Deva Rakkas Igrejas que há cerca de um ano frequenta as aulas do curso de Cerâmica. O artista plástico, músico e dançarino vê na atividade com o barro a chance de ampliar suas possibilidades artísticas por meio de um material ricamente disponível na natureza.

Já a médica Cinthya Gonçalves, pediatra que cumpre pesada carga de trabalho em hospitais da rede pública do DF, frequenta a oficina de cerâmica, aos sábados, há menos de um ano e se diz empolgada com a atividade.

Ela se apaixonou pela cerâmica depois de conhecer a obra de Vitalino Pereira dos Santos, o mestre Vitalino, referencia internacional de um modo popular de confecção de peças de argila.

O conhecimento da trajetória do artista pernambucano deu a medica brasiliense incentivo suficiente para se igualar aos seus pequenos pacientes. “Fiquei bastante empolgada já na primeira aula, sujando a mão com argila preta: sabe como é, pediatra arranja desculpa para fazer o que as crianças fazem… A sensação tátil de mexer com barro é muito bacana!”, relata a doutora Cinthya.

As duas turmas que começam atividades agora em maio são destinadas a atender pessoas que estão se iniciando na cerâmica. Duram em média um mês e meio, tempo suficiente para que o aluno tenha um primeiro contato com o barro e descubra o interesse de prosseguir ou não na atividade e ampliar sua possibilidade de intercâmbio de culturas.

Em um encontro de três horas de duração por semana o participante do curso é introduzido ao mundo da argila a partir de técnicas simples de confecção de peças. Assim, Nicodemos acredita poder aproximar o aluno do universo da cerâmica e, ao mesmo tempo, trabalhar a difusão de técnicas de criação e manipulação do barro utilizadas localmente. “É uma forma de preservar a cultura brasileira”, acredita.

Essas duas novas turmas de iniciação em cerâmica – modelagem em argila – estão com inscrições abertas a partir da primeira semana de maio. A primeira se realiza de 8 de maio a 26 de junho, com aulas as quartas feiras, das 14h às 17h. A outra turma terá encontros aos sábados, de 9h às 12h, de 4 de maio a 22 de junho. Ambas as turmas tem capacidade para 15 participantes maiores de 14 anos, que não precisam cumprir nenhum pré requisto.

As inscrições gratuitas devem ser feitas pessoalmente na secretaria do Museu Vivo, casa marrom, Via Epia Sul, SPMS, Lote D, Núcleo Bandeirante, de segunda-feira a sexta-feira, das 9h às 17h.

Serviço:

Iniciação em Cerâmica – Modelagem em Argila

Turna B – Nível Iniciante
Período: 08 de maio a 26 de junho 2013
Dia hora: Quartas-feiras das 14h às 17h
Carga horária: 24horas aula
15 vagas

Turna C– Nível Iniciante
Período: 04 de maio a 22 de junho 2013
Dia hora: Sábados das 9h às 12h
Carga horária: 24horas aula
15 vagas