Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
29/10/18 às 19h09 - Atualizado em 30/10/18 às 17h27

Complexo Cultural de Planaltina abre as portas

COMPARTILHAR

Com área de mais de mil metros quadrados, novo espaço cultural receberá produções de várias linguagens artísticas

 

 

A região administrativa mais antiga do Distrito Federal agora passa a contar com um espaço público multifuncional próprio para manifestações culturais de várias linguagens. Aguardado com expectativa pela comunidade artística há quase 30 anos, o Complexo Cultural de Planaltina, localizado no Setor Administrativo, teve suas portas abertas no dia 4 de outubro.

 

Para celebrar a inauguração do espaço, a Secretaria de Cultura junto com o Conselho de Cultura de Planaltina organizaram uma programação especial, marcada diversidade e criatividade que caracterizam as produções artísticas e culturais da região. Foram três dias (4, 5 e 6 de outubro) de atividades para o público de todas as idades: shows, batalha de rimas, feira de artesanato, saraus poéticos, exposições, apresentações teatrais e de dança.

 

A abertura contou com as presenças do secretário de Cultura, Guilherme Reis, da primeira dama e colaboradora do governo, Márcia Rollemberg e do administrador de Planaltina, Vicente Salgueiro.

 

A programação cultural de inauguração do espaço começou na quinta-feira (4/10), às 19h, com apresentações de Folia de Roça e Sistema Brutas e Brutus da Catira, seguida de declamação de poesia com Luiz Felipe Vitelli e do espetáculo “A Aurora da minha vida”, da Cia Língua de Trapo. Na sexta-feira (5), as atividades iniciaram às 16h, com a percussão do Omó Ayó e Batalha de Rima Guerra do Flow. Em seguida, os DJs Rud Boing e Danillo Costa assumiram as pick ups com muita música. A festa seguiu até a madrugada com shows das bandas Meu nome é ninguém, África Tática, A outra banda da rua, O Tarot, Daren e Nenhuma Ilha.

 

Na manhã do sábado (6), quem visitou o Complexo Cultural de Planaltina pode fazer uma experiência de Hatha Yoga, com Francisco Lara, acompanhar uma roda de capoeira do grupo Corpo e Mente e assistir uma apresentação musical do Instituto Acordes, da Escola de Música de Brasília. Performance de dança afro com o Ponto de Cultura Ação e Tradição, Sarau Complexo, com artistas de Samambaia, e o espetáculo “As faces de um povo centenário”, da Cia Transições fizeram emocionaram o público presente. Durante todo o dia, o foyer foi ocupado por uma feira de artesanato, com peças produzidas por artistas da cidade. Para fechar a programação cultural de inauguração, shows do cantor Tião Cândido e um tributo a Natal Lua Nova, com a Banda Tribawê.

 

Nos três dias, a galeria de arte exibiu três exposições: vídeo-animação de João Angelini; fotografias de Pedro Bezerra; e artes visuais de Michel Williams.

 

 

Estrutura – Com 1.160m² de área, a estrutura arquitetônica do Complexo Cultural de Planaltina contempla teatro coberto (345 lugares), teatro de arena (arquibancada com 480 lugares), sala multiuso, foyer e galeria de arte. Os ambientes são adaptados com soluções de acessibilidade (rampas, barras de ferro, elevador, poltronas em tamanhos especiais e sinalização em braile) para permitir o livre acesso do público, sem restrições.

 

Ao todo foram investidos R$ 3,4 milhões na construção do complexo cultural, em recursos provenientes de emendas parlamentares. As obras foram executadas por uma empresa contratada por meio de licitação e coordenadas pela Administração de Planaltina em parceria com a Companhia Urbanizadora Nova Capital (Novacap) e a Secretaria de Cultura.

A programação de inauguração foi definida a partir de mobilização do Conselho Regional de Planaltina, contemplando contribuições da comunidade apresentadas no Seminário Pensando o Complexo Cultural de Planaltina, realizado no ultimo mês de agosto.

 

Assim como em outros equipamentos públicos culturais, a exemplo do Centro de Dança do DF, do Memorial dos Povos Indígenas e do Espaço Cultural Renato Russo 508 Sul, a Secretaria de Cultura vai contar com a parceria de uma organização da sociedade civil (OSC) para gestão do Complexo Cultural de Planaltina, em fase de seleção.

 

A OSC terá um orçamento de R$ 550 mil para planejar e coordenar, em parceria com o governo, a programação do espaço durante 12 meses, a partir de janeiro de 2019. As propostas precisam estar adequadas ao perfil do espaço, voltado à promoção e difusão cultural, formação permanente e continuada, pesquisa, experimentação e criação artística, intercâmbio e residências artísticas.