Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
10/04/11 às 14h34 - Atualizado em 13/11/18 às 14h36

Cine Brasil no Museu Vivo

COMPARTILHAR

CINE BRASIL NO MUSEU VIVO


Está aberta a temporada de filmes brasileiros no Museu Vivo da Memória Candanga. De janeiro a junho, sempre aos sábados, com classificação etárias para todos os públicos. Entrada gratuita.

O Cinema Brasileiro no Museu é um programa que leva aos espectadores o que há de melhor na produção cinematográfica nacional exibindo tanto obras clássicas quanto produções mais recentes. São exibidos filmes de longa e curta metragem assim como documentários. As sessões ocorrem em dois sábados de cada mês, sempre às 15h.

Programe-se: Cinema Brasileiro no Museu, de janeiro a junho, às 15hs, no Museu Vivo da Memória Candanga. Entrada gratuita.

Mais informações: 3301-3590

Janeiro

Dia 08 – Comédias contemporâneas 6 curtas-metragens. 

O OITAVO SELO

Após brigar com sua mulher, um homem desesperado encontra a morte – em pessoa -, num bar. Segue – se uma longa discussão metafísica regada a música, cerveja e cianureto 100% puro.

Direção e roteiro: Tomás Créus

15 min.

Classificação: 12 anos.

AÇAÍ COM JABÁ

Um duelo entre um paraense e um turista para ver quem consegue tomar mais açaí com jabá. Baseado nesse costume do homem da Amazônia.

Direção e roteiro: Alan Rodrigues, Marcos Dalbes e Walério Duarte

13 min.

Classificação: 12 anos.

DOV´E MENEGHETTI

Um retrato da fuga do mais famoso personagem da crônica policial paulistana na década de 1920, Gino Amleto Meneghetti. O ladrão anarquista se notabilizou pela agilidade com que saltava os telhados durante as fugas e pela irreverência com que tratava a polícia.

Direção e roteiro: Beto Brant

12 min.

Classificação: 12 anos.

P R KADEIA

Dois bandidos instalam uma rádio pirata a partir de aparelhagens roubadas, interferindo na programação das outras rádios e tornam – se sucesso absoluto na cidade.

Direção: Eduardo Caron

Roteiro: Eduardo Caron e José Rubens Chachá

15 min.

Classificação: 12 anos.

NO PRINCIPIO ERA O VERBO

Fábula composta de três histórias que se fundem num vai-e-vem lírico e bem-humorado, procurando refletir sobre o conceito de verdade e nossa busca pelas explicações de fenômenos cotidianos.

Direção e roteiro: Virgínia Jorge

18 min.

Classificação: 12 anos.

BMW VERMELHO

Um operário desempregado, morador de uma favela em São Paulo, ganha um carro importado num concurso: um BMW vermelho, zero quilômetro. Sua vida, que já era difícil, fica ainda mais complicada.

Direção e roteiro: Reinaldo Pinheiro e Edu Ramos

22 min.

Classificação: 12 anos.

Dia 22 – Curta Criança – Reprise

UMA JANGADA CHAMADA BRUNA

A experiência do primeiro amor:Pedro tem 10 anos e se apaixona por Bruna, de 11 anos. Ambos são filhos de pescadores, vizinhos na mesma aldeia de praia do Ceará.

Direção: Petrus Cariry.

13 min.

Classificação: 10 anos.

DONA CARMELA

Ao contar a história da descoberta do afeto entre Augusto e seu neto, Sérgio, o filme revela também o conflito entre o sonho de um velho ator em voltar a trabalhar e a realidade da mais poderosa contadora de histórias dos nossos dias – a televisão.

Direção: Iziane Mascarenhas.

13 min.

Classificação: 10 anos.

AS ANDANÇAS DO NOSSO SENHOR SOBRE A TERRA

Nosso Senhor é um andarilho que percore a Terra ao lado de São Pedro, curando e pregando. Quando São Pedro cai em tentação, cabe ao Nosso Senhor perdoar a ele ou não.Adaptado da história popular Os rins da ovelha, contada por João Monteiro ao folclorista Luiz da Câmara Cascudo. (Contos Tradicinais do Brasil).

Direção: Betse de Paula.

Roteiro: Betse de Paula e Ana Luisa Martins Costa.

13 min.

Classificação: 10 anos.

TAMPINHA

Era uma vez uma menina pequena, mas tão pequena, que, quando alguém espirrava por perto… Ela voava. Seu nome era Tampinha.

Direção e roteiro: João Batista Melo.

13 min.

Classificação: 10 anos.

SÃO JOÃO DO CARNEIRINHO

São João menino perde seu carneirinho e sai à procura, com a ajuda de mais três crianças. No caminho, eles encontram personagens marcantes dos folguedos juninos.

Direção e roteiro: Tarcísio Lara Puiati.

13 min.

Classificação: 10 anos.

TAINÁ-KAN, A GRANDE ESTRELA

Segundo um a lenda Carajá, Tainá- Kan, a grande estrela, vem à Terra por amor, na forma de um homem velho. A lenda explica o surgimento da agricultura para o povo carajá. Suas bonecas de cerâmica servem de inspiração para os personagens, e a trilha é composta de músicas típicas.

Direção e Roteiro: Adriana Figueiredo.

15 min.

Classificação: 10 anos.

O MOLEQUE

Tião é pobre e negro, mas tem orgulho de sua mãe, a melhor lavadeira da região. Ela sai para pescar com Pedrinho, seu único amigo. Todos os outros moleques adoram colocar apelidos, por causa da cor de sua pele. Mas Tião não vai agüentar por muito tempo e prepara sua vingança.

Direção: Ari Cândido.

13 min.

Classificação: 10 anos.

FEVEREIRO – Aquecimento para o Carnaval: viva a música!

Dia 12 – Sonoridades inovadoras, 2 curtas-metragens.

HERMETO CAMPEÃO

Hermeto Pascoal é incontestavelmente um dos maiores músicos brasileiros. O filme evoca a inspiração, a maneira de compor e os pontos de vista de Hermeto Pascoal sobre a fama, o dinheiro e o trabalho. Hermeto Pascoal toca com os sapos e compõe com as abelhas. Os componentes do conjunto dão um pequeno depoimento sobre o que é trabalhar com ele.

Direção e roteiro: Thomaz Farkas

35 min.

Classificação: Livre.


TOM ZÉ OU QUEM IRÁ COLOCAR UMA DINAMITE NA CABEÇA DO SÉCULO?

Retrato estético do cantor e compositor Tom Zé.

Direção e roteiro: Carla Gallo

48 min.

Classificação: Livre.

Dia 26 – Cinesamba 4 curtas-metragens

JORJÃO

Um perfil do diretor de bateria de escolas de samba, Mestre Jordão. Ele fala da sua relação com os ritmistas , da sua criatividade na hora de criar as famosas “paradinhas”, da polêmica que causou ao introduzir uma batida de funk na bateria da Unidos do Viradouro e de como começou na bateria da escola de samba Mocidade Independente de Padre Miguel. O filme traz fortes imagens da bateria da Mocidade, evoluindo no desfile de carnaval na Avenida Marquês de Sapucaí sob comando do mestre e o depoimento de sua esposa que esperou 20 anos para se casar com ele.

Direção e roteiro: Paulo Tiefénthaler

18 min.

Classificação: 12 anos.

BATUQUE NA COZINHA

O filme apresenta as “tias” Eunice, Dora e Surica, Pastoras da Velha Guarda da Portela, conhecidas e respeitadas no mundo do samba por comandar tradicionais rodas de fundo de quintal, eventos que remontam ao século 19, quando baianas da Praça XI, como Tia Ciata, abriam seus quintais para batucadas, umbigadas, capoeira e samba.

Direção: Anna Azevedo

Roteiro: Anna Azevedo e Alexandre Medeiros

19 min.

Classificação: 12 anos.

NELSON SARGENTO

Retrato biográfico do sambista Nelson Sargento durante uma vida ao Morro da Mangueira, no Rio de Janeiro.

Direção e roteiro: Estevão Ciavatta

22 min.

Classificação: 12 anos. 

GERALDO FILME

Um mergulho no universo do samba e na cultura negra paulista através da obra do compositor Geraldo Filme.

Direção e roteiro: Carlos Cortez

52 min.

Classificação: 12 anos.

MARÇO – Viva o documentário!

Dia 12 – 2 Sessões

JANELA DA ALMA

A partir da ansiedade daqueles que “pouco” enxergam, o documentário faz um ensaio poético e bem humorado sobre o que é “Olhar”. Depoimentos como o do escritor José Saramago, do músico Hermeto Pascoal, do cineasta Wim Wenders e do fotógrafo cego Bavcar ilustram a dificuldade de ver as coisas como elas são.

Direção e roteiro: João Jardim

73 min.

Classificação: Livre.

CEGO OLIVEIRA NO SERTÃO DO SEU OLHAR

Cego Oliveira não era cego, mas portador da visão subnormal. Ao registrar o mundo, ocorriam – lhe alterações oculares que produziam interferências na sua maneira de olhar. Uma outra visão de mundo. Natural de Juazeiro do Norte, no Ceará, o tocador de rebeca morreu em 1977, com 94 anos.

Direção e roteiro: Lucila Meirelles

17 min.

Classificação: Livre.

Dia 26- 2 Sessões

BAILE PERFUMADO

Revivemos a saga do libanês Benjamin Abrahão, mascate responsável pelas únicas imagens de Virgulino Ferreira, o Lampião, quando este vivia em plena campanha no sertão nordestino.

Direção e roteiro: Paulo Caldas e Lírio Ferreira

93 min.

Classificação: 16 anos.

 

O HOMEM DA MATA

O artista popular Zé Borba da Silva, ator, canavieiro, cantor, mateiro,compositor, pai-de-santo, artista de brincadeira folclórica interpreta Jack, o vingador justiceiro, super-herói defensor dos canavieiros da Zona da Mata.

Direção e roteiro: Antônio Luiz Carrilho.

18min.

Classificação: 16 anos.

ABRIL – Viva todas as artes!

Dia 09 – Vídeoartistas, 6 curtas- metragens

LUA ORIENTAL

Lua cheia em Tóquio, 1978. Persigo a lua com câmera de vídeo betamax de tubo, ao som de uma música folclórica japonesa.

Direção: José Roberto Aguilar

6 min.

Classificação: 16 anos.

HERÓIS DA DECADÊNSIA

Vídeo experimental panorâmico, que registra as vibrações e antagonismos de um país/mundo em crise de caminho. Heróis contemporâneos, colunáveis e anônimos, estrelas e decadentes vivem a década de 80. A partir da ação de vários personagens, depoimentos e do recorte de situações do real, monta um painel vivo daquela década, retomando e revendo a vibração revolucionária dos anos 60/70.

Direção: Tadeu Jungle

Roteiro: Tadeu Jungle e Walter Silveira

35 min.

Classificação: 16 anos.

O BEIJOQUEIRO, RETRATO DE UM SERIAL KISSER

Documentário sobre um “serial kisser”. Suas vítimas foram “mais de 100 mil pessoas, entre elas Frank Sinatra, João Paulo II e Pelé”. Beijoqueiro é um herdeiro inconsciente da tradição antropofágica brasileira. Na impossibilidade de comer as pessoas que admira, ele as beija. Na era da mídia, sua performance tragicômica deixa uma pergunta no ar: “O Beijoqueiro aparece para beijar ou beija para aparecer?”.

Direção e roteiro: Carlos Nader

29 min.

Classificação: 16 anos.

VIDEO CABINES SÃO CAIXAS PRETAS

Vídeo sobre o projeto Vídeocabines: uma coleção de depoimentos, mensagens ou performances de pessoas comuns, tomados de cabines fechadas, individuais, instaladas em locais públicos do Rio de Janeiro, onde as pessoas tinham liberdade de jogar com sua própria imagem.

Direção: Sandra Kogut.

10 min.

Classificação: 16 anos.

ALI É UM LUGAR QUE NÃO CONHEÇO

O vídeo busca nas paisagens, nos desencontros e na poesia o desejo pelo “outro lugar”, aquilo que está sempre além – e expõe os conflitos gerados na pessoa de quem se está próximo. O trabalho faz parte de um projeto dos videoartistas Eder Santos, Francisco de Paula, Lucas Bambozzi, Marcelo Braga e Marcus Nascimento constituído por uma série de videopoemas experimentais ligados à intimidade de cada um.

Direção: Lucas Bambozzi

Roteiro: Lucas Bambozzi e Cristiane Mesquita.

6 min.

Classificação: 16 anos.

 

COM O OCEANO INTEIRO PARA NADAR

O universo poético e intimista de Leonilson através de seu trabalho e de fragmentos de um diário gravado por ele.

Direção e roteiro: Karen Harley

20 min.

Classificação: 16 anos.

Dia 30 – Bastidores do Teatro, 5 curtas-metragens

Um importante percurso didático pelas diversas faces da arte teatral. Das primeiras etapas de preparação de uma montagem (escolha do texto, leitura e ensaio) à estréia de um espetáculo, passando pelas peculiaridades arquitetônicas do Teatro Municipal do Rio de Janeiro e pelos fundamentos do gênero. O programa trata ainda de aspectos históricos como a fundação de companhias como o Teatro Brasileiro de Comédia e o Teatro de Arena, além de assinalar a dramaturgia e os novos métodos de produção do teatro brasileiro moderno.

A LINGUAGEM DO TEATRO

Direção: João Bethencourt

18 min.

Classificação: Livre.

TEATRO BRASILEIRO: ORIGEM E MUDANÇA

Direção: Olney São Paulo

12 min.

Classificação: Livre.

TEATRO BRASILEIRO: NOVAS TENDENCIAS

Direção: Olney São Paulo

11 min.

Classificação: Livre.

TEATRO MUNICIPAL

Direção: Ruy Santos

12 min.

Classificação: Livre.

A FACE E A MÁSCARA

Direção: Vicente Marques

15 min.

Classificação: Livre.

MAIO – Viva as crianças!

Dia 14 – Animações para a primeira infância, 8 filmes infantis. – Reprise                                                                                     

A TRAÇA TECA

A história da pequena traça Teca e seu ácaro de estimação, Tuti.

Direção: Diego M Doimo.

Roteiro: Diego M. Doimo e Eduardo Bassi.

7’50 min.

Classificação: Livre.

TEM UM DRAGÃO NO MEU BAÚ

Menina guarda dentro de seu baú, um dragão.

Direção, Roteiro: Rosaria.

2 min.

Classificação: Livre.

ALBERTINO

A história de um menino que sonha em voar. Homenagem a Alberto Santos Dumont e ao centenário do vôo 14 bis.

Direção e roteiro: 150 alunos da rede pública municipal de Vitória.

12 min.

Classificação: Livre.

PARA CHEGAR ATÉ A LUA

Jaime, uma mosca-das-frutas, nasce atrasado em relação a seus irmãos e irmãs e perde o ciclo de vida ao qual fora destinado. Com menos de um dia de vida, Jaime inicia sua curta jornada pelo mundo, buscando algo que dê sentido à sua existência.

Direção e Roteiro: José Guilhermo Hiertz.

10 min.

Classificação: Livre.

PORQUE O CANGURU SALTA EM DUAS PATAS?

Baseado numa lenda aborígine australiana, as crianças vão saber por que o canguru salta em duas patas,além de aprender que ele se chama Borá e de conhecer as canções, os instrumentos e a pintura corporal usada por esse povo.

Direção e Design: Andrés Lieban.

Roteiro: Marília Pirillo.

11 min.

Classificação: Livre.

CASQUINHAS

Debaixo de uma carteira, num cesto de lixo ou mesmo na rua, revelam-se situações cômicas das “caquinhas” espalhadas no dia- a- dia.

Direção: Cesar Cabral.

Roteiro : Maurício Fernandes.

5’20 min.

Classificação: Livre.

CUIDADO, DÁ LINHA

Crianças de 11 cidades de três estados comentam a depredação e conservação dos telefones públicos.

Direção: Maurício Squarisi, Wilson Lazaretti

Roteiro: Coletivo (crianças de escolas públicas de cidades de São Paulo, Minas Gerais, e Goiás e artistas do Núcleo de animação de Campinas).

7 min.

Classificação: Livre.

MINHOCAS

Nesta família de minhocas, jùnior está crescendo e ainda não conseguiu do pai, da mãe e do avô nenhuma resposta convincente para uma questão que não pára de intrigá-lo: por que é proibido cavar para cima?

Direção: Paolo Conti, Co-direção: Arthur Medeiros Nunes

14`20 min.

Classificação: Livre.

Dia 28 – Curtas Infantis 1, 7 filmes infantis. – Reprise

ISABEL E O CACHORRO FLAUTISTA

Isabel mora na praia e tem uma ligação especial com o mar. No dia da festa de Iemanjá, um cachorro pega a flauta de Isabel e foge mergulhando no mar. Isabel mergulha atrás dele, e a aventura continua até os dois chegarem numa cidade submersa: São Paulo.

Direção e roteiro: Christian Saghaard.

14min

Classificação: Livre.

O TAMANHO QUE NÃO CAI BEM

O que acontece quando um anão se apaixona por uma mulher gigante? Muita coisa, provando que na paixão não existem tamanhos.

Direção e roteiro: Tadao Miaqui e alunos da Escola Almirante Álvaro Alberto da Mota e Silva.

7 min.

Classificação: Livre.

ALMA CARIOCA – UM CHORO DE MENINO

A zona portuária do Rio de Janeiro no início do século 20 foi berço de grandes mestres da música popular. Mesmo as condições precárias não impediram o surgimento de um gênero musical que é uma de nossas maiores manifestações culturais: o choro.

Direção e roteiro: William Côgo.

6 min.

Classificação: Livre.

 

DISFARCE EXPLOSIVO

Juca Piau cria galinhas em seu pequeno sítio para vender na vila próxima. Um dia, duas delas se recusam a ser vendidas usando vários disfarces para enganar Juca Piau.

Direção e roteiro: Mário Galindo.

6 min.

Classificação: Livre.

O NORDESTINO E O TOQUE DE SUA LAMPARINA

A vida sofrida de um sertanejo, mostrando seus sonhos, fantasias e criatividade ao encontrar uma lamparina mágica..

Direção e roteiro: Ítalo Maia.

8 min.

Classificação: Livre.

MITOS DO MONDO: COMO SURGIU A NOITE ?

Baseado em um mito de criação dos índios brasileiros, esta animação nos leva à idade dos sonhos, onde os objetos tinham vida e onde a noite vivia aprisionada em um oco que pertencia à Cobra Grande – uma terrível feiticeira.

Direção: Andrés Lieban.

Roteiro: Marília Pirillo.

6 min.

Classificação: Livre.

HISTORIETAS ASSOMBRADAS (PARA CRIANÇAS MALCRIADAS)

Três histórias que sua avó não contou senão você ia fazer xixi na cama.

Direção e roteiro: Victor Hugo Borges

16 min.

Classificação: Livre.

JUNHO – Festa Junina – Caipiras na Cidade Grande

Dia 04 – Sessão Dupla

A MARVADA CARNE

Nhô Quim vive lá nos cafundós em companhia do cachorro e da cabra de estimação. Aquela vidinha besta no meio do mato não dá pé e ele resolve cair no mundo e procurar a solução para duas questões que o incomodam: arranjar uma boa moça para o casório e comer a tal carne de boi, um desejo que fica ruminando sem parar dentro dele. Nas suas andanças, Nhô Quim vai dar na casa de Nhô Totó, cuja filha está em conflito com Santo Antônio, que não anda colaborando para ela arranjar um bom marido. E logo Nhô Quim descobre que o pai da moça tem um boi reservado para a ocasião do casamento da filha. Será este o momento para Nhô Quim realizar seus dois maiores desejos?

Direção: André Klotzel

Roteiro: C. A. Soffredini e André Klotzel.

80 min.

Classificação: Livre.

ALMOÇO EXECUTIVO

Cinco amigos se encontram para almoçar. Nada poderia ser mais corriqueiro. Mas por alguma razão, ninguém ficou para a sobremesa.

Direção e roteiro: Marina Person e Jorge Espírito-Santo

14 min.

Classificação: Livre.

Dia 18

A HORA DA ESTRELA

Macabéa, uma jovem órfã, só no mundo aos 19 anos. Analfabeta, ingênua e virgem, vem do Nordeste tentar a vida em São Paulo. O filme mostra a história do encontro patético deste ser humano com as artimanhas da cidade grande. Macabéa é tão desastrada que todo o tempo ela dói por dentro. Não sabe, como os outros, que esta dor tem de ser dissimulada por baixo das máscaras sociais. Toma aspirina pra ver se passa. Veste então as máscaras, mas não lhe caem bem.

Direção e roteiro: Suzana Amaral

96 min.

Classificação: 12 anos.

 

Publicada em 2011