Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
31/03/20 às 10h53 - Atualizado em 31/03/20 às 10h54

Brasília International Film Festival (BIFF), totalmente digital, começa no dia 21 de abril

COMPARTILHAR

Com apoio do FAC, um dos principais eventos de audiovisual na capital aposta no seu braço infantojuvenil, BIFF Júnior

 

A sétima edição do Brasília International Film Festival (BIFF), evento brasileiro dedicado ao trabalho de cineastas estreantes no Brasil e no mundo, vai celebrar os 60 anos de Brasília em formato inédito. Pela primeira vez, os filmes inéditos entre ficção e documentários que tradicionalmente ocupam o Cine Brasília, e os títulos do BIFF Júnior, braço infantojuvenil do festival, programados para unidades do Sesc, serão exibidos em um ambiente virtual, por meio de uma plataforma de streaming de 21 a 26 de abril.

 

A mudança nos planos foi de última hora em razão da pandemia de coronavírus (Covid-19), e o BIFF passa a acontecer na plataforma brasileira de distribuição digital Looke, que poderá ser acessada a partir de dispositivos eletrônicos diversos: smartphones computadores, e até projetores. A produção aposta que o BIFF Júnior terá um papel relevante em oferecer distração de boa qualidade para toda a família em um momento de isolamento social.

 

“A Looke tornou-se nossa parceira e representa um apoio técnico colossal, capaz de suportar até 10 milhões de acesso por filme”, festeja a criadora e curadora do BIFF, Anna Karina de Carvalho. O sítio do evento http://www.biffestival.com/ está em fase final de construção com todos os detalhes, anuncia.

 

Produtora e cineasta, a integrante da curadoria do 52º Festival de Brasília do Cinema Brasileiro, em 2019, ela registra a importância da contribuição da Secretaria de Cultura e Economia Criativa (Secec) do Distrito Federal pelo aporte de R$ 390 mil do último edital do Fundo de Apoio à Cultura (FAC) ao festival.

 

Ela destaca também o incentivo do titular da pasta, Bartolomeu Rodrigues, à transferência da iniciativa para a plataforma digital. “O secretário é um visionário, sabe que vivemos numa nova era”. A produção do BIFF tem parcerias com outros apoiadores para viabilizar o evento, orçado em cerca de R$ 900 mil.

 

Para o secretário, a iniciativa do BIFF é inovadora e serve de modelo para situações emergenciais como a que o setor cultural atravessa. “O entusiasmo de Anna levantou nosso astral, foi animador ver o cartaz do festival estampado na cidade, como a mostrar que a cultura resiste e continua viva”, afirma Bartolomeu.

 

A produtora do BIFF destaca nessa edição a preocupação especial com a seleção dos filmes para a mostra infantojuvenil no sentido de que tragam subsídios para discussões que possam ser feitas em família, em casa, em tempos de reclusão social em virtude da pandemia.

 

“Assuntos como bullying e aqueles ligados à orientação sexual poderão promover mais diálogo com um público que gasta muito tempo nas redes”, aposta Anna Karina. “O cinema se presta bem a isso. Você assiste aos filmes e pode abordar em seguida questões delicadas”, sugere.

 

Entre os destaques do BIFF Júnior estão, o nacional “Alíce Júnior” (Gil Baroni com Anne Celestino) – justamente sobre uma jovem que produz conteúdos sobre sexualidade para a rede e sofre discriminação” –, e o italiano “Copperman” (Eros Puglielli).

 

A mostra principal apresentará, já confirmados, “Corpus Christi” (Jan Komasa, Polônia) e “We are little zumbies” (Makoto Nagahisa, EUA). “Estamos fechando a negociação dos títulos, que dependem também dos outros três curadores, por isso não podemos adiantar muitas coisas”. As produções são todas de 2019.

 

O BIFF elegeu nessa edição homenagear o ícone Kirk Douglas (1916-2020), falecido nos Estados Unidos com 103 anos no mês passado. O crítico Mario Abadde vai comentar alguns dos sucessos estrelados pelo ator e selecionou cinco filmes que percorrem sua trajetória: “Assim estava Escrito” (The Bad and the Beautiful, 1952), de Vincente Minnelli; o clássico “Spartacus” (1960), de Stanley Kubric; “Sede de viver” (Lust for Life, 1956), de Minnelli e George Cukor; “Sua última façanha” (Lonely are the brave, 1962), de David Miller; e “A montanha dos sete abutres” (Ace in the hoje, 1951), obra-prima de Billy Wider sobre a manipulação dos fatos pelo jornalismo sensacionalista.

 

A curadora do BIFF, batizada com o nome profissional da atriz Hanna Karin Blarke Bayer (1940-2019), estrela do francês Jean-Luc Godard, vai prestar uma homenagem a uma das musas do Nouvelle Vague (estilo contestatório dos anos 1960 em linguagem e temática), exibindo o documentário de 2017 do viúvo da atriz, Dennis Berry, “Anna Karina, souvien-toi?” (Anna Karina, te lembras?, tradução livre).

 

O documentário, como os demais filmes do festival, terá legenda em português. O evento será gratuito e a forma de inscrição vai ser divulgada pelo site. “É tudo bem simples, com instruções bem didáticas sobre como proceder”, afirma a curadora.

 

Serviço
7º BIFF – Brasília International Film Festival
21 a 26 de abril de 2020
http://www.biffestival.com/ (em construção)