Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
20/11/12 às 13h08 - Atualizado em 13/11/18 às 14h38

Bonecos que encantam crianças e adultos

COMPARTILHAR
 
Bonecos que encantam crianças e adultos
Aos poucos a Sala Martins Pena do Teatro Nacional foi tomada por gritos, choros e gargalhadas. O espetáculo ainda nem havia começado, mas onde tem criança…

 
Elas eram muitas. Grandes e pequenas; bebês, ainda! Não estavam sozinhas. Pais e mães corujas bajulavam suas crias como se meninos e meninas fossem também. O cenário favorecia. No palco, uma piscina cheia chama a atenção. Todos ficam curiosos para saber o que sairá dali. A água representa o Rio São Francisco. Às margens dele, um velho pesca e conta sua história.
 
Começa uma surpreendente viagem pelos mistérios, encantos, costumes e lendas do Velho Chico, rio que nasce na Serra da Canastra em Minas Gerais, corta boa parte do país, e deságua no mar de Alagoas.
 
“Os olhos do Surubim Rei”, espetáculo que abriu oficialmente o 11° Festival Internacional de Bonecos de Brasília, encantou o público com a bela amizade de um avô e seu neto que, atendendo ao chamado do grande Surubim Rei, embarcam numa pequena canoa, onde vivem grandes aventuras de perigo e descobertas. O Surubim Rei é o personagem mitológico, temido e respeitado pelos ribeirinhos.
 
Esculpidos em madeira e com grande desenvoltura, os personagens deslizam sobre a água. A bordo da canoa, encontram lavadeiras, espíritos do mal, carrancas e tantos outros seres lendários do Rio São Francisco.
 
Para completar a beleza do espetáculo, as histórias do velho do rio são intercaladas por belas canções, executadas ao vivo por dois hábeis músicos que fazem parte da trupe. Com palmas, o público acompanha.
 
A técnica de bonecos sobre a água, explica Nélida Prado, dramaturga do Grupo Teatro Kabana, de Belo Horizonte; possibilitou explorar a riqueza do universo dos rios, suas lendas, seus mitos, personagens e segredos.
 
A montagem, segundo ela, utiliza uma técnica de manipulação de bonecos sobre a água, muito popular no Vietnã. A técnica parecia esquecida até que foi resgatada por um francês. Além dessa montagem, o Grupo Teatro Kabana vai encenar “O conto da ilha desconhecida”, inspirado em texto do escritor português José Saramago; e “Eh, boi!”, que conta a popular história do boi bumbá.
 
A julgar pela primeira apresentação, vem muita coisa boa por aí.
 
A 11ª edição do Festival Internacional de Bonecos de Brasília vai até o dia 28 de novembro. As apresentações são no Teatro Nacional Claudio Santoro. Em seguida, as trupes e seus bonecos vão passar por oito cidades: Guará, Taguatinga, Ceilândia, Brazlândia, Planaltina, Sobradinho, Santa Maria e Varjão.
 
Participam do festival grupos do DF, CE, GO, MG, PI, RJ, RN, RS, SP e SC, além de ), além de grupos da Argentina, Chile, Costa Rica, Espanha, Itália, México e Portugal.
 
Todos os espetáculos tem acesso gratuito e censura livre.
 
O Festival Internacional de Bonecos de Brasília é patrocinado pelas Secretarias de Cultura, Educação, GDF, e conta com o apoio das Embaixadas do México e de Portugal.