Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
23/04/14 às 17h54 - Atualizado em 13/11/18 às 14h45

Bienal: Brasília celebrou 54 anos em torno do livro

COMPARTILHAR


Secretário de Cultura avalia os méritos da II Bienal do Livro


 

Brasília encontrou um caminho para resolver esta equação inexplicavelmente difícil na administração pública brasileira: como sintonizar as Políticas Públicas de Cultura com as Políticas Educacionais? Por meio de uma ação concreta: a realização da Bienal Brasil do Livro e da Leitura que se consolidou aos olhos da cidade nessa II Edição, de 11 a 21 de abril.

As nações mais avançadas compreenderam a tempo um fato singelo: a Educação é o braço que organiza, sistematiza e reproduz as culturas, a capacidade criativa das sociedades. Aí reside seu potencial de desenvolver-se com identidade própria. Com autonomia para afirmar sua diferença diante das demais culturas com as quais dialoga, sem diluir-se.

A característica mais marcante desta II Edição da Bienal Brasil do Livro e da Leitura exprimiu-se pelo decidido envolvimento da Secretaria de Educação e da rede escolar pública – professores e alunos – no projeto. A solução institucional que viabiliza a iniciativa envolve a Secretaria de Cultura, a Secretaria de Educação e a sociedade civil por meio do Instituto Terceiro Setor, entidade vocacionada para atividades na área de cultura e informação.

O Passaporte Literário, ideia inovadora e eficaz, criou um mecanismo simples que viabilizou um investimento de aproximadamente quatro milhões de reais na recuperação e atualização de acervos das Bibliotecas Escolares Públicas, envolvendo as crianças e os jovens da rede escolar com um extraordinário resultado de mobilização, despertando o fascínio pelo livro e a leitura no momento da vida mais adequado para esse aprendizado e, por isso, mais fecundo.

A Bienal Brasil do Livro e da Leitura se insere no Plano do Livro e da Leitura do Distrito Federal – PDLL. Constitui-se, portanto, no que poderíamos designar como um momento forte das Políticas Públicas de Cultura e Educação cuja meta é fazer de Brasília a Capital do Livro e da Leitura para cumprir um compromisso do Governador Agnelo Queiroz com a sociedade. Trata-se, dessa forma, de assegurar o exercício de um direito básico do cidadão previsto na Constituição Federal: o direito a usufruir dos bens e serviços culturais.

A Bienal Brasil do Livro e da Leitura já se consolida, nesta segunda edição, como um fator de desenvolvimento econômico relevante para a cadeia produtiva e distributiva do Livro e da Leitura no país. Inclui Brasília – uma cidade com demanda considerável por bens e serviços culturais e grande capacidade de consumo – no circuito das grandes Bienais de Livros do Brasil e atrai o interesse das principais editoras e distribuidoras que atuam no mercado cultural.

Alguns números contribuem para oferecermos as dimensões do impacto econômico: a II Bienal recebeu um público aproximado de 300 mil pessoas; cerca de 85 mil títulos foram expostos; 400 editoras representadas; 445 mil livros comercializados; a Bienal movimentou cerca de 8 milhões de reais com a venda de livros, nos 158 estandes de editoras, livrarias e distribuidoras de livros organizadas nos quatro pavilhões que cobriram 23 mil metros quadrados da Esplanada dos Ministérios durante dez dias.

Memória e Invenção. A criação artística se dá a partir da trajetória que cada povo cumpriu, de sua percepção da natureza que o envolve, das relações humanas (ou desumanas…) que estabelece para constituir sua identidade, ou no caso do Brasil, suas identidades. Nos 50 anos do Golpe de 1o de abril, a II Bienal ofereceu, na sua programação, a oportunidade para que a Capital da República fizesse um exercício de memória. A cidade que em 1964 assistiu paralisada à deposição de um Presidente legitimamente eleito e referendado pelo povo, o Presidente João Goulart, ao rompimento do Estado de Direito estabelecido pela Constituição de 1946 e à implantação de um regime imposto pela força das armas.

A ditadura que se seguiu, ancorada nos setores sociais e empresariais mais conservadores foi submetida ao debate entre escritores, poetas, militantes, jornalistas, gente de teatro, de cinema, da música, para aproximar das novas gerações essa experiência trágica que marcou a história do Brasil no século XX. Para que elas possam conhecer e incorporar criticamente à sua própria experiência de vida, a experiência das gerações passadas. Brasília ofereceu assim, sua contribuição à agenda do país, abrindo espaço para esse debate necessário à defesa da construção democrática do país.

Dos duzentos escritores que participaram, 36 são escritores de Brasília, os demais vieram de outras regiões do Brasil e de outras culturas do mundo. A Bienal cumpre assim seu propósito de converter-se numa referência do Livro e da Leitura para as culturas do mundo com as quais devemos dialogar permanentemente, com as demais regiões do Brasil que acolhemos como Capital, e estimulando o talento que Brasília tem a oferecer aos que nos visitam e, concretamente, que nos leem. Contribuímos assim para nos afastarmos do paroquialismo e recuperar a vocação universalista, cosmopolita que nutriu nossos fundadores.

Ao homenagear o uruguaio Eduardo Galeano e o brasileiro de todos os Brasis, Ariano Suassuna, a II Bienal afirma a qualidade do seu perfil recortado sobre o mapa histórico e cultural do país e de suas relações com a América Latina e África, menciono aqui, a propósito a presença de Conceição Lima, de São Tomé e Príncipe, do moçambicano Mia Couto e do Presidente de Gana John Dramani Mahama, além de convidados de outros continentes. Define-se assim como uma Bienal Pública assentada sobre a convicção de que a cultura é Direito Básico do cidadão, comprometida com a afirmação da riqueza e da diversidade cultural brasileira.

Ao abrir espaço para debater as relações entre as novas tecnologias – as plataformas de internet – e suas implicações nos processos criativos – alterações de estilo – e de difusão da produção literária – velocidade e alcance – a II Bienal incorpora temas complexos e de alta sensibilidade da cultura contemporânea, como os direitos autorais, na busca de soluções que democratizem o acesso mais amplo à criação e dos desafios que os criadores, escritores, poetas devem enfrentar diante das realidades novas que se afirmam a partir das novas tecnologias de difusão.

Brasília adquiriu o direito de celebrar seu aniversário a cada dois anos em torno do Livro e da Leitura e a sociedade demonstra, pela acolhida generosa que dispensou à II Bienal o quanto deseja se afastar do tempo em que assistiu, humilhada à celebração do 21 de abril com um ridículo desfile de personagens do lixo da indústria cultural de Walt Disney.

O espetáculo de crianças e jovens visitando o espaço da II Bienal, ao longo dos dez dias, revela que avançamos, no que toca às Políticas Públicas de Cultura, para além do entretenimento. Incorporamos nas ações o aspecto fundamental da formação cultural e da afirmação dos valores do conhecimento intelectual e artístico e da prática da solidariedade e da partilha, da visão crítica da sociedade e dos desafios do mundo contemporâneo. A Bienal se torna um espaço de combate ao comodismo e à alienação e, afirmativamente, num espaço de reencontro com a imaginação.


Brasília, 23 de abril de 2014

Hamilton Pereira

Secretário de Cultura do Distrito Federal