Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
10/06/19 às 21h23 - Atualizado em 11/06/19 às 10h50

Audiência Pública discute inclusão de literatura brasiliense nos currículos escolares da rede pública do DF

COMPARTILHAR

Subsecretário do Patrimônio da Secec defende apoio ao PL com esse fim que tramita na Câmara Legislativa; discussão teve a Feira do Livro como cenário

 

O subsecretário de Patrimônio Cultural da Secretaria de Cultura e Economia Criativa (Secec), Cristian Brayner, fez hoje (10) a defesa do livro como instrumento de cultura e oportunidade de mobilidade social, durante audiência pública para discutir a inclusão de literatura brasiliense no currículo das escolas da rede pública do DF.

 

A audiência foi na Biblioteca Nacional de Brasília, onde acontece a 35ª Feira do Livro de Brasília. A Cidade da Leitura, em megaestrutura provisória no Complexo da República, foi montada no local e funciona até o dia 16 de junho. Brayner destacou a importância simbólica da transferência da audiência pública da Câmara Legislativa para dentro da feira: “O assunto sai das estruturas burocráticas e vai para um lugar que é frequentado pelas pessoas”.

 

O auditório de cem lugares foi tomado para discutir um assunto que tem impacto sobre a formação cultural do alunado, valorizando a produção regional de obras literárias, mas também sobre a economia criativa, possibilitando oportunidades de trabalho e renda no setor de oficinas gráficas e editoração, como ressaltou em sua fala inicial a deputada distrital Jaqueline Silva, autora do Projeto de Lei (PL) 456/2019 em tramitação na casa legislativa do DF. “Muito me alegra poder contribuir com políticas para valorizar a literatura local, escritores, editoras e gráficas, além de propagar o conhecimento da história de nossa cidade para as crianças e jovens da rede pública.”, disse a parlamentar.

 

A distrital frisou que por meio do PL, uma comissão de seleção, com a participação do governo e da sociedade civil, será criada para produzir, através de chamamentos públicos, a seleção das obras a serem trabalhadas nas escolas.

 

Brayner festejou que o PL em trâmite vem cumprir a regulamentação do artigo 235 da Lei Orgânica do DF, que prevê que a rede oficial de ensino local inclua em seu currículo, “em todos os níveis, conteúdo programático de educação ambiental, educação financeira, educação sexual, educação para o trânsito, saúde oral, comunicação social, artes, prevenção de doenças, cidadania, pluralidade cultural, pluralidade racial, além de outros adequados à realidade específica Distrito Federal”. O subsecretário frisou que a literatura é uma parte deste conteúdo e lembrou que a Secec patrocina neste instante a escolha, em parceria com a ONU, de seleção de um consultor para ajudar a mapear conteúdos sobre a capital federal em várias áreas do conhecimento.

 

Bibliotecário de ofício, Brayner também destacou a preocupação da Secec com a questão da memória e a formação educacional de jovens para valorizar o que é produzido no DF em termos de cultura, em particular de literatura: “Existe em Brasília uma literatura periférica que tende a ser invisível. Precisamos saber que literatura é essa. Valorizamos uma pesquisa sobre essa literatura que é produzida nas margens, que não encontra espaço na produção do eixo Rio-São Paulo”.

 

Da audiência pública participaram outros parlamentares, como o distrital Jorge Vianna, o subsecretário de Difusão e Diversidade Cultural da Secec, Pedro Paulo de Oliveira (Pepa), além de representantes da Secretaria da Educação, de academias de letras, sindicatos de escritores, professores, educadores e usuários da BNB, que fazem do local um ponto para seus estudos.