Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
10/04/18 às 9h59 - Atualizado em 13/11/18 às 15h07

Ainda dá tempo de participar da consulta pública sobre o Espaço Cultural Renato Russo

COMPARTILHAR

 

A Secretaria de Cultura convida a população do Distrito Federal a opinar sobre o uso e a programação do Espaço Cultural Renato Russo (508 sul), que está em fase final de reforma. É bem simples participar da consulta on-line. Basta acessar o site consultapublicavirtual.df.gov.br, preencher um rápido cadastro, selecionar a consulta e enviar as sugestões. O prazo para contribuições foi prorrogado até as 23h59 do dia 15 de abril.

 

 

Todas as contribuições colhidas vão subsidiar a elaboração do documento “Diretrizes de Uso e Ocupação do Espaço Cultural Renato Russo”. O objetivo é que a programação do local seja pensada a partir das demandas da comunidade artística da cidade e da opinião de quem frequenta ou deseja frequentar o equipamento.

 

Fechado desde 2013, o Espaço Cultural Renato Russo passou por uma ampla reforma, que está em fase de acabamento. Ao todo, foram investidos R$ 5,6 milhões nas obras, que contemplam reparação da estrutura predial, revisão de toda a instalação hidráulica e elétrica, instalação de elevador e intervenções para garantir acessibilidade, além de sistemas de luz, som e projeção para salas e galerias. A expectativa é que o espaço seja reinaugurado no mês de junho, já com um cronograma de atividades para o público.

 

Lugar de Cultura

O projeto de revitalização e gestão do Espaço Renato Russo faz parte do programa Lugar de Cultura, que reúne uma série de ações continuadas para a valorização e a preservação do patrimônio e espaços culturais da cidade.

O programa propõe a recuperação e fortalecimento dos equipamentos culturais, desde a execução de obras fundamentais à modernização do modelo de gestão.

 

Previsto na Lei Orgânica da Cultura (LOC), sancionada em dezembro de 2017, o Lugar de Cultura está organizado em três eixos: infraestrutura (manutenção, recuperação e preservação dos espaços), gestão (modelos para o melhor funcionamento do equipamento público, prevendo participação social) e programação (sensibilização de novos públicos, fomento e ações continuadas).