Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
16/07/19 às 16h43 - Atualizado em 16/07/19 às 16h50

Adão Cândido discute estratégias de promoção da arte religiosa em Brasília

COMPARTILHAR

O secretário de Cultura e Economia Criativa do Distrito Federal (Secec), Adão Cândido recebeu nesta terça-feira (16), os assessores de assuntos religiosos do gabinete do governador Ibaneis Rocha, Kildere Meira e Varlindo Carneiro. O encontro teve como pauta a criação do Museu Nacional da Bíblia em Brasília e ações para a comunidade cristã do Distrito Federal.

 

Na ocasião, os representantes do Buriti expuseram o desejo do governador, juntamente com a Sociedade Bíblica do Brasil (SBB) e a comunidade dos pastores evangélicos, em concretizar a ideia de um museu cristão, para acolher, de modo fixo, todo o acervo do polo de arte religioso.

 

Para o assessor do GDF, Kildere Meira, a iniciativa promoverá cultura e educação por meio das escrituras sagradas. “Buscamos inspiração no que há de mais moderno em termos de museu, oferecendo à comunidade um conteúdo interativo referente ao cristianismo, e para isso é necessário um espaço que atenda às expectativas”, revela.

 

O titular da Secec explicou que é preciso envolver outros órgãos do GDF para a criação de um museu. “Podemos fornecer o apoio institucional, porem é preciso apresentar um projeto concreto para pleitear a área física junto à Terracap”, explica.

 

Cândido também sugeriu que o acervo do futuro museu pudesse remeter à arte sacra, que durante séculos prevaleceu em ênfase no país, influenciando vários artistas em suas obras. O líder da pasta inclusive ressaltou que a introdução das influências sacras no projeto dará uma aderência cultural mais expressiva e garantiu desenvolver mais sugestões sobre o tema. “Podemos fazer mediações junto ao governador Ibaneis, para realizar um conceito de associação religiosa com a ideia com a história da arte do Brasil,” completa.

 

Eles também falaram sobre a realização da missa comemorativa aos 60 anos de Brasília. “Podemos trabalhar na realização de uma celebração do modo mais original possível, como a primeira missa realizada na cidade em 21 de abril de 1960”, sugeriu.

 

Cândido pontuou que a reunião é uma oportunidade para ampliar a participação da comunidade cristã nas ações culturais desenvolvidas pela Secec. Para ele, o apoio do segmento é essencial para potencializar o aspecto socioeconômico com o desenvolvimento dessas atividades. “Este é um setor que realiza ações que movimentam as várias áreas que compõem a economia criativa, e que tem um peso importante para a Cultura do DF”, concluiu.